Sejam bem-vindos ao Camilla Luddington Brasil sua primeira, maior e melhor fonte de informações sobre a atriz Camilla Luddington, mais conhecida por interpretar Jo Wilson em Grey’s Anatomy! Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, entrevista traduzida, galeria de fotos, entre outros. O nosso site não é afiliado de maneira alguma com a Camilla, sua família ou seus representantes. Não somos a Camilla e não temos contato com a mesma. Todo o conteúdo do site, fotos, informações, vídeos e traduções pertence ao site, a não ser que seja informado o contrário. Site de fãs para fãs, sem fins lucrativos!

Hoje foi divulgado uma entrevista de Camilla Luddington para a 1883 Magazine onde a atriz contou sobre a 17º temporada de Grey’s Anatomy, Tomb Raider e mais. Confira:

A atriz britânica-americana Camilla Luddington permaneceu uma das favoritas dos fãs desde sua introdução como Dra. Jo Wilson na série de drama médico Grey’s Anatomy, da ABC, há nove anos.

À medida que a 17 temporada do programa vai ao ar, o retrato de Camilla da personagem resiliente continua a conquistar corações tanto quanto a própria atriz -que também é conhecida por dublar Lara Croft nos videogames Tomb Raider.

Encontrando alegria em interpretar “make believe” com seus diferentes papéis, Camilla, que descreve seu processo como “atriz de método de parceria”, conhece bem a personagem Jo por interpretá-la por tanto tempo, conectando-se particularmente com o enredo da personagem envolvendo sua mãe. Em conversa com 1883, Camilla, que conhece e perseguiu sua paixão por atuar desde a infância, aprofunda a jornada emocional de retratar um médico em uma temporada centrada na pandemia, falando do peso de querer representar com precisão as histórias dos trabalhadores da linha de frente. Ela também revela sua lista de desejos, papel de sonho, compartilha um conselho de peça para aspirante a atriz e muito mais.

Você mencionou em uma entrevista anterior como sua parte favorita da atuação é mergulhar na experiência e nas histórias de outras pessoas, fazendo “make believe”. Tenho certeza de que interpretar um médico durante uma pandemia te ensinou a ver as coisas de uma perspectiva muito diferente. Voltando ao papel de médico, sabendo tudo o que nossos trabalhadores da linha de frente têm feito, como era isso?

CAMILLA: Sim, geralmente é “make believe”, como você disse. É por isso que acho que esta foi a temporada mais difícil. Normalmente, as histórias se passam em um mundo diferente, eu poderia entrar no Seattle Grace, desempenhar meu papel e, no final do dia, voltar para casa no meu próprio mundo. Esta é a primeira vez que acho que todos nós vivemos quase essa história da vida real, onde o que está acontecendo no programa também está acontecendo em grande parte na vida real. Quando você está assistindo à incrível bravura dos trabalhadores da linha de frente nas notícias, e então você está tendo que ir e desempenhar esse papel, há um peso nisso. Você sente que tem que fazer certo com eles, deixando-os orgulhosos, e trazer suas histórias para a vanguarda. Foi talvez a temporada mais intimidante só porque sentiu que o mundo em exibição também era o mundo real. Queríamos representar o que realmente está acontecendo, dar essa plataforma para destacar os médicos, enfermeiros e trabalhadores essenciais que lidavam com uma pandemia e agradecer-lhes pelo que têm feito e pelo que continuam fazendo.

Tendo estado com a personagem Jo por tanto tempo, quanto de si mesmo você trouxe para Jo e, inversamente, quanto de Jo você absorveu para si mesmo se tivesse que pensar sobre isso?

CAMILLA: Acho que Jo é muito resiliente. Espero que isso seja algo que meio que eu tenha absorvido. Ela passou por tanta coisa, eu admiro sua força, e espero que ela também tenha se tornado parte de mim. Acho que o humor do personagem – o sarcasmo ou a secura – é um pouco meu. Quando começamos a série, eles meio que observam como você é como pessoa e escrevem o personagem de acordo com sua personalidade. Então, acho que a natureza sarcástica de Jo é em parte por causa de terem escrito o personagem para se alinhar comigo na vida real.

Como você descreveria seu processo e como ele evoluiu à medida que você passou de um papel para outro?

CAMILLA: Sou em parte uma atriz de métodos. Eu não necessariamente fico com o personagem o dia todo, mas definitivamente tiro do meu passado e minhas próprias experiências para dar vida as cenas e me ajudar a trazer emoção para fazê-las se sentirem reais e autênticas. Anteriormente, meu processo na verdade costumava ser meio que me afastar e me separar do personagem antes de uma cena. Mas agora, com Jo, penso no passado dela e depois misturo com o meu. É minha nona temporada no programa, então quase tenho uma taquigrafia de atuação com esse personagem, onde posso realmente entrar rapidamente em qualquer estado emocional em que Jo esteja – isso só vem de interpretá-la por tanto tempo.

Na memória recente, que é um momento em que você pode pensar onde fez isso; misture suas experiências com as do personagem.

CAMILLA: Acho que o episódio em que Jo conhece sua mãe pela primeira vez é um bom exemplo em que fiz isso de uma maneira muito intensa, porque minha própria mãe faleceu quando eu era mais jovem. Então, há esse elemento sentindo que estou perdendo minha mãe. Ela não esteve lá há tantos momentos monumentais na minha vida. E então Jo está experimentando essa dor, lamentando um relacionamento que ela nunca teve.

Se eu te perguntasse agora qual seria seu papel dos sonhos, qual seria?

CAMILLA: Eu interpretei Lara Croft nos jogos e acho que interpretar um papel de herói em ação algum dia seria meu papel dos sonhos, porque minha filha está tão interessada em super-heróis agora. Então ter como mostrar para ela alguma coisa em que eu chute bundas eu acho que seria meu trabalho dos sonhos agora. E se eu tivesse um papel em que eu pudesse voar, ela estaria ganha então eu amaria fazer isso por ela.

Você falou sobre como sempre quis atuar, mas também fez de tudo, desde cantar e dançar. Tão criativamente você tem paixões diferentes que gostaria de experimentar, que ainda não teve a chance de fazer?

CAMILLA: Eu não canto ou dancei há muito tempo, mas minha paixão por atuar veio de musicais, é o que eu cresci assistindo, então se eu pudesse voltar e fazer Broadway ou uma peça no West End, acho que seria incrível. Acho que me sentiria em casa porque cresci com isso.

O que você diria que foi o momento mais memorável ou surreal de sua carreira até agora e o que está de criativo na sua lista de desejos?

CAMILLA: O mais memorável é provavelmente Grey’s Anatomy. Eu fiz outras séries, mas não há nada parecido com a máquina que é da Grey. Eu não acho que algo como isso nunca mais aconteça. O fandom é apenas o fandom mais apaixonado que eu já experimentei. Toda temporada, acho que talvez percamos a audiência, mas estamos no ar há 17 temporadas e toda vez há uma enxurrada de apoio, pessoas que estão no programa há muitos anos, dizendo: ‘Meredith Grey é a razão pela qual sou médico’. Isso só torna essa experiência selvagem. É um relâmpago dentro de uma garrafa, acho que não haverá nada parecido novamente.

Em termos de uma lista de desejos, eu adoraria poder produzir meu próprio material um dia, basta pensar que essa seria uma oportunidade incrível e olho para outras pessoas fazendo isso como Margot Robbie e acho que é como o sonho final de poder ser criativo em todos os sentidos.

Criar e produzir uma série foi algo que você sempre quis fazer ou é algo que se desenvolveu à medida que trabalhou na indústria e conheceu pessoas que fizeram você perceber que não precisa ser nenhum dos dois ou você pode fazer os dois?

CAMILLA: Crescendo, não me ocorreu que eu pudesse fazer outras coisas como atriz. Eu só senti que fui contratado para fazer esse único trabalho. Mas então eu acho que aos meus vinte anos, comecei a ver pessoas como Reese Witherspoon meio que conseguem suas próprias empresas de produção e começam a produzir material e fiquei muito ciente de que você pode ter um pedaço maior da torta do que pensava que poderia. Percebi que você tem mais controle do que pensava, e então minha paixão pelo futuro – depois de Grey’s– é, tomar as rédeas e ser capaz de criar algo meu. Não posso dizer muito, mas, meu marido e eu absolutamente começamos a escrever algo, é definitivamente algo em que já estamos mergulhando, mas é um projeto para muito mais tarde.

Entrando na indústria como uma jovem atriz, você não sabia tudo o que uma atriz pode fazer, como pode ser emprenderadora para fazer todas essas coisas diferentes. Então, como alguém que agora passou por isso se você tivesse que dar um conselho ou incentivo a qualquer um que queira ser atriz, o que seria?

CAMILLA: Eu diria que não coloque limitações em si mesmo porque acho que senti que era como uma atriz, coloquei esse rótulo em mim mesma e senti que tinha que me encaixar naquela caixa. Agora, sinto que as mulheres estão chutando os lados da caixa e estão fazendo uma nova caixa, sem limitações. Então escreva seu filme material com amigos, use plataformas à sua disposição – Tiktok, Instagram ou YouTube- para levar seu material lá. Não se deixe encaixotar, coloque o poder de volta em suas mãos e alcance as pessoas.

Finalmente, uma pergunta que ninguém nunca te perguntou em uma entrevista que você gostaria que te perguntassem?

CAMILLA: “Qual é a minha bebida favorita?” Ninguém sabe qual é a minha bebida favorita! A resposta é bem específica, é um Flaming Cadillac Margarita.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2021 > 1883 MAGAZINE
CLBR01.jpgCLBR02.jpgCLBR03.jpg

Salvo em: Destaques | Entrevistas | Autor: Camilla Luddington Brasil







layout desenvolvido por lannie d. - Camilla Luddington Brasil